sábado, 26 de setembro de 2009

Leda e o cisne

Súbito golpe: as grandes asas a bater
Sobre a virgem que oscila, a coxa acariciada
Por negros pés; a nuca, um bico a vem reter;
O peito inane sobre o peito, ei-la apresada.

Dedos incertos de terror, como empurrar
Das coxas bambas o emplumado resplendor?
Pode o corpo, sob esse impulso de brancor,
O coração estranho não sentir pulsar?

Um tremor nos quadris engendra incontinenti
A muralha destruída, o teto, a torre a arder
E Agamêmnon, o morto.
                                    Capturada assim,

E pelo bruto sangue do ar sujeita, enfim
Ela assumiu-lhe a ciência junto com o poder,
Antes que a abandonasse o bico indiferente?

*Zeus tomou a forma de cisne para apossar-se de Leda, mulher de Tíndaro, rei da Lacônia
**Helena, então engendrada, seria a causa da ruína de Tróia; Clitemnestra, também filha de cisne, matou Agamêmnon, seu marido, ao voltar este de Tróia.
O soneto foi escrito em 18 de setembro de 1923

(Tradução e notas de Péricles Eugênio da Silva Ramos)

Original em Inglês:

Leda and the Swan

A sudden blow: the great wings beating still
Above the staggering girl, her thighs caressed
By the dark webs, her nape caught in his bill,
He holds her helpless breast upon his breast.

How can those terrified vague fingers push
The feathered glory from her loosening thighs?
And how can body, laid in that white rush,
But feel the strange heart beating where it lies?

A shudder in the loins engenders there
The broken wall, the burning roof and tower
And Agamemnon dead.
                                 Being so caught up,

So mastered by the brute blood of the air,
Did she put on his knowledge with his power
Before the indifferent beak could let her drop?

3 comentários:

Mc Roseiro disse...

Excelente! Adorei! <3

Mc Roseiro disse...

Excelente! Adoro! <3

Lêda Dantas disse...

Notável poeta, bela tradução.

Postar um comentário